top of page

Sustentabilidade no Meio Ambiente do Trabalho


Em 1972, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu 05 de junho como o dia mundial do meio ambiente. Atenta à evolução da temática no ambiente de trabalho, em junho de 2022, em sua 110ª Conferência, a Organização Internacional do Trabalho (OIT)aprovou a resolução que incluiu um meio ambiente de trabalho seguro e saudável no quadro de seus princípios fundamentais.


A iniciativa da OIT dialoga diretamente com os compromissos da agenda de 2030 da ONU para o desenvolvimento sustentável, dividida em 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), em particular com o 8º objetivo, que é justamente promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, buscar emprego pleno e produtivo; e viabilizar trabalho decente para todos.

Por ser o Brasil um dos membros fundadores da OIT, suas instituições públicas e privadas devem adotar medidas tanto para cumprir com a Resolução da OIT, quanto perseguir os ODS da ONU.


A busca pelos ODS, aliás, passa por adotar práticas ESG (Environmental, Social and Governance) no ambiente de trabalho, na busca por relações mais sustentáveis do ponto de vista social e do próprio negócio.


As empresas que alcançam melhores métricas ESG em seu meio ambiente de trabalho – mirando, com isso, satisfazer as ODS relacionados ao trabalho – percebem um maior engajamento dos seus colaboradores com os objetivos da empresa, maior procura nos processos de recrutamento e seleção e aumento da eficiência com a redução de indicadores como absenteísmo e turnover.


O poder público também se mostra empenhado em incentivar as empresas a atingirem melhores níveis de sustentabilidade social e empresarial. Já há leis especificamente voltadas para lidar com esses temas. Vide a Lei 14.381/2024, que cria o certificado de Empresa Promotora da Saúde Mental; a Lei 14.611/2023, que dispõe sobre igualdade salarial e critérios remuneratórios entre homens e mulheres, e a Lei 14. 457/2022, que- Institui o Programa Emprega + Mulheres.

 

Para além das obrigações criadas por essas novas leis, há também incentivos, como o certificado da empresa promotora da saúde mental e o selo emprega + mulher. Tais certificações, além de trazerem uma boa reputação para a empresa, demonstram para os parceiros de negócios e contratantes a preocupação genuína (e certificada) de se manter um ambiente de trabalho saudável na empresa.

 

Desenvolver um ambiente de trabalho sustentável passa por dois pilares-chave: desenvolver e implementar políticas de ESG, e realizar treinamentos constantes de seus colaboradores.


Em linha com os ODS, as políticas ESG devem buscar a melhoria de indicadores de saúde, bem-estar, não discriminação, inclusão, diversidade e proteção dos colaboradores internos. A depender do cenário, as políticas podem também abordar a relação da empresa com seu entorno, contribuindo para a sociedade como um todo, além de buscar a construção constante de um meio ambiente de trabalho mais saudável.


O treinamento recorrente de seus colaboradores é um ponto fundamental para o sucesso das políticas. Por mais bem elaboradas que sejam as políticas ESG da empresa, os treinamentos permitem a reeducação constante dos colaboradores, e ainda permitem apurar o grau de conhecimento e entendimento dos colaboradores em conexão com as métricas dos principais indicadores. Inclusive, se for o caso, sinalizando a eventual necessidade de ajustes.


Um meio ambiente de trabalho sustentável extrapola o (indispensável) cumprimento das Normas Regulamentadoras de Saúde e Segurança do Trabalho. E a adoção de práticas e políticas que visem o alcance dos ODS traz benefícios diretos e indiretos à empresa, seja pela melhora de suas relações com seus colaboradores, e até mesmo pela relação da empresa com a coletividade com quem se relaciona.




Comentarios


bottom of page